Delegados avaliam 59 propostas nacionais sistematizadas

Nos dias 7 e 8 de outubro, os profissionais do Sistema Confea/Crea e Mútua de todo o Brasil se mobilizaram em torno das 59 propostas sistematizadas durante o 11° Congresso Nacional dos Profissionais (CNP). Na tarde de sexta-feira (7/10) e na manhã deste sábado (8/10), os cerca de 500 delegados se dividiram em oito grupos para pré-analisar os textos e aprová-los ou não. Seguem para a plenária final, quando todos se reúnem novamente, as propostas que não tiverem sido diretamente aprovadas ou rejeitadas por pelo menos seis grupos.

Unificação dos sistemas de informação dos Creas; incentivo ao contínuo treinamento da fiscalização dos Conselhos Regionais; adição do QR Code as placas de obras; criação do Programa Crea Jovem Engenheiro em âmbito nacional; eleição direta para a Diretoria Executiva da Mútua, criação e implantação de programa nacional de residência profissional, após a formação acadêmica foram alguns dos temas em pauta, em proposições divididas nos eixos temáticos “Inovação Tecnológica”, “Infraestrutura” e “Atuação Profissional”.

GT Cinza

O grupo cinza contou com a participação de 54 delegados, profissionais de todos os estados do país. Coordenado pelo conselheiro do Crea-SP Alexander Ramos, o grupo foi conduzido pela mesa composta pelos secretários Ana Caroline Figueiredo (Crea-BA) e Juan Ébano (Crea-PB), os relatores Ricardo Vidinich (Crea-PR) e Maribondo Vinagre (Crea-RN) e o assessor técnico Ricardo Sotto Maior (Confea). Os delegados rejeitaram 7 das 59 propostas apresentadas no CNP.

Foi uma discussão tranquila, com debate de ideias sem excessos. “Foram dias importantes para a Engenharia, Agronomia e Geociências nacionais. Todos os profissionais presentes participaram ativamente, empenhados e comprometidos com o CNP, em avançar com muito progresso nas legislações que vão favorecer toda a sociedade brasileira”, disse o conselheiro Alexander Ramos.
O coordenador acrescentou que não houve nenhuma discussão problemática que viesse desfavorecer qualquer questão da área profissional. “O balanço é completamente positivo. Saio feliz com a motivação dos delegados e dos Creas em prol de nossas atividades profissionais e, principalmente, no avanço de políticas públicas”, afirma. Alexandre Ramos lembrou aos delegados presentes que o trabalho vai continuar, agora nas mãos da alta direção do Confea para dar provimento a todos os pleitos dos profissionais que serão ratificados ao final do 11⁰ CNP.

GT Vermelho

Conduzido pelo coordenador Paulinho Felippin (Crea-RR), o grupo vermelho, no primeiro dia, com o quórum composto de 62 delegados, aprovou 32 propostas e rejeitou oito, além de também terem votado uma moção referente à taxação sobre energia distribuída. Já no segundo e último dia, sábado, 61 delegados presentes votaram as 19 propostas restantes, sendo 13 aprovadas e 6 rejeitadas. Ao total, o grupo vermelho aceitou 45 das 59 Propostas Nacionais Sistematizadas (PNS) submetidas à votação, representando uma taxa de mais de 75% de aprovação das propostas.

 

De acordo com o coordenador Paulinho, o grupo vermelho mostrou grande dedicação no debate das propostas. “Estamos aqui neste CNP finalizando um trabalho que foi iniciado lá nos estados, e chegaram aqui excelentes propostas para melhoria não só para o Sistema, como também para a sociedade como um todo. As discussões foram muito bem fundamentadas, acaloradas em certos momentos, com todos aguerridos em defender suas propostas. Houve um grande empenho de todos os envolvidos e com isso todos nós podemos ganhar”, disse.

Também fizeram parte da mesa diretiva do grupo a presidente do Crea-AC, Carmen Nardino; a presidente do Crea-AL, Rosa Tenório; e o anfitrião do evento, presidente do Crea-GO, Lamartine Moreira Júnior.

GT Laranja

Com 59 delegados presentes, o grupo laranja promoveu as discussões das 59 PNS, entre os dias 6 e 7 de outubro. Por problemas técnicos, no primeiro dia de trabalho, o GT – seguindo o regimento – optou por realizar a votação manualmente. No sábado, os votos foram computados digitalmente. Ao final foram aprovadas 47 propostas.

A vice-presidente do Crea-SE, Helenice Leite Garcia, coordenou os trabalhos e falou sobre a importância do fórum. “O Sistema Confea/Crea e Mútua não vive à margem da sociedade, ele faz parte da dela. Tudo o que se pensa em prol do Sistema, estamos pensando também em prol da sociedade. Essa máscara de o Crea ser apenas um órgão fiscalizador é equivocada. Quem fiscaliza tem o intuito de proteger para que não se erre e não tenhamos danos.  E nesse sentido eu acredito que o CNP foi o melhor possível”.

Sobre as discussões dos dois dias de votação, ela avalia: “O debate com respeito e bom senso é necessário. Como são propostas vindas de diversos estados era esperado que tivéssemos ponto de vistas diferentes entre os participantes, mas o que importa é que essas propostas foram pensadas para sugerir melhorias para todos nós, profissionais e sociedade, afinal de contas, o nosso tema é desenvolvimento nacional”.

 

GT Amarelo

O grupo amarelo elegeu como secretários os profissionais Rosa Freitas (Crea-PA) e Nelson Burille (Crea-RS) como coordenadores. Já para relatores foram escolhidas as profissionais Maria Cristina (Crea-SP) e Elizangela Bortoluzzi (Crea-SC). Os 65 delegados presentes votaram nas 59 propostas apresentadas com aprovação de 44 propostas e 15 rejeitadas. Todas as propostas foram colocadas para apreciação no mesmo dia e finalizadas. Para a coordenadora do Grupo, Fernanda Vanhoni (Crea-SC), a reunião teve um saldo positivo. “O trabalho foi muito bom, conciso, rápido, sem grandes dificuldades. Acredito que fizemos um bom trabalho em prol da Engenharia”.

GT Azul Escuro

O grupo identificado com o colete azul escuro foi composto por 66 delegados com direito a voz e voto. Durante as discussões, o GT apreciou 59 propostas sistematizadas, que vieram dos quatro cantos do Brasil. Ao todo, o grupo aprovou 34 propostas e reprovou 25 das analisadas.  As propostas incluídas no eixo Atuação Profissional foram as que geraram os debates mais acalorados pelo grupo.  “Esses dois dias foram bastante produtivos, a maioria das propostas aqui foram aprovadas, tem algumas delas que tem debates mesmo, o que é normal, já que estamos votando propostas que irão trazer melhorias para o nosso sistema e para o profissional”, ressaltou o coordenador, Luís Cláudio de Oliveira Ramos (Crea-RO). Além de Ramos, compuseram a mesa do grupo azul Luís Cláudio de Oliveira Ramos (Crea-RO), os secretários Emerson Miguel Schoeffel (Crea- SC) e Eric Marinho do Nascimento (Crea-PI) e as relatoras das propostas Ângela Paviani, (Crea-SC) e Glaucia dias Ferreira (Crea-GO).

GT Roxo

Dando início aos trabalhos, o grupo roxo montou sua mesa diretora, composta pelo Marco Antônio Fontoura Hansen (Crea-RS), como coordenador, a Thais Vogel (Crea-PR), como primeira relatora, eng. prod. Wilson Linhares (Crea-SE), como segundo relator, Pedro Bonfim (Crea-RO), como primeiro secretário, e Maria Consuelita Oliveira (Crea-MG), como segunda secretária. As discussões das propostas analisadas pelo grupo roxo foram marcadas, no princípio dos debates, por divergências entre os próprios delegados e alguns convidados. O grupo foi formado por 68 delegados eleitos durante os Congressos Estaduais de Profissionais (CEP). Alguns delegados quiseram incluir emendas às propostas já sistematizadas, o que não é possível nesta instância. Após os esclarecimentos e com um clima mais tranquilo, o grupo discutiu as 59 propostas, das quais apenas 8 foram reprovadas.

O delegado do Crea-MG Henrique de Freitas Galvão considerou muito importante a interação de todos os profissionais do país, a diversidade de ideias, os debates de alto nível e comentou: “É do debate que surge a melhor ideia, eu saio daqui muito maior do que eu entrei e com esperança de que o Crea vai se renovar e se reinventar”. Sobre as propostas, o engenheiro destacou: “As eleições diretas via web são de extrema importância, isso para o sistema é vital, para revitalização do sistema, para mexer as peças desse jogo e injetar novas pessoas e novas ideias”. Por fim, os delegados do GT roxo aprovaram um manifesto para que o próximo CNP tenha mais dias para sistematização das propostas, com acompanhamento da assessoria jurídica para acompanhar.

GT Azul Claro

Coordenado por Lígia Francovig Rachid, o grupo azul claro discutiu as 56 propostas nacionais sistematizadas para o 11° Congresso Nacional de Profissionais – CNP. Destas, 48 foram aprovadas, e oito, rejeitadas. Para a coordenadora do grupo as discussões foram positivas. “Eu fiquei bastante satisfeita que a grande maioria entendeu o que foi trabalhado nos encontros locais”, afirmou Lígia. Ainda segundo Rachid, “isso vai fazer com que lá na base as propostas sejam mais trabalhadas”.

O conselheiro federal Genilson Pavão ressaltou a importância do debate com os profissionais, avaliando que o 11º CNP representa a democracia da Engenharia. “Há várias propostas que foram organizadas de forma a criar um novo Norte para a aproximação do Sistema Confea/Crea e Mútua com a sociedade civil e os órgãos de controle municipais, regionais e federais. Isso proporcionará um alcance maior do sistema para o seu objetivo, que é garantir a segurança da sociedade”, analisou Pavão.

Para o eng. civ. Denis Silva da delegação de Santa Catarina, o GT 5 proporcionou um ambiente bem amplo de conversa, com troca de ideias de diversas matizes, por parte delegados de todos os 26 estados e o Distrito Federal. “Estamos enviando propostas boas para o Plenário do Confea, para serem consolidadas em forma de decisões plenárias, decisões normativas, ou até mesmo propostas de lei a serem encaminhadas para o Congresso Nacional, visando a uma ampliação maior da participação do Sistema na política nacional, o que reflete diretamente os anseios dos profissionais”, concluiu o delegado.

GT Verde

O debate começou acalorado no primeiro dia do grupo verde, integrado pela coordenadora Rute Carvalhal (Crea-BA), pelas secretárias Ana Paula Fogaça (Crea-BA) e Marlene Ferronalo (Crea-PR) e as relatoras Selma Costa (Crea-MG) e Natália Caffer (Crea-RO), além dos 69 delegados participantes de todo o país.

No fórum, os representantes aprovaram apenas 27 das 59 propostas; outras quatro reprovadas ainda no primeiro dia de discussões. No segundo dia, outras cinco foram rejeitadas, totalizando nove. De acordo com a coordenadora, o sábado de trabalho foi bem tranquilo e o grupo conseguiu cumprir o acordado, encerrando o restante das propostas antes de meio dia.

“Fomos o primeiro grupo a encerrar a votação neste sábado (8). Quero registrar a participação das mulheres que integraram a nossa bancada. Agradeço ainda a todos os delegados que estiveram conosco neste grupo. Foi um trabalho intenso, mas conseguimos concluir com êxito e sair felizes com o resultado”, afirmou Rute Carvalhal.

Reportagem: Abigail Cardoso (Crea-MA), Anelly Medeiros (Crea-RN), Daniel Lobato (Crea-AC), Elini Oliveira (Crea-TO), Felipe Moreno (Crea-AL), Janaína Laurindo (Crea-SC), Marice Rocha (RO), Suelen Viana (Crea-RO)
Edição: Fernanda Pimentel e Beatriz Craveiro (Confea) Revisão: Lidiane Barbosa (Confea)
Equipe de Comunicação do 11º CNP
Fotos: Abigail Cardoso,  Anelly Medeiros, Daniel Lobato, Elini Oliveira, Felipe Moreno, Janaína Laurindo, Marice Rocha, Suelen Viana e Juliana Nogueira Fotografias

Similar Posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.